domingo, 8 de junho de 2008

Unicórnio


(Maiden - T. C. Chiu)
.
.
.
UNICÓRNIO
(Enise)
.
Aprisionado num móvel de vidro
um unicórnio de cristal, perdido,
com seu torcido chifre lascado,
perdeu seu poder selvagem,
entre o bem e o mal...
.
Esquecido pelas florestas,
abandonado das matas,
distraído pelos prados sem fim,
não pisava mais nos sonhos,
não cavalgava mais em luz,
e, sem sua magia,
não queria mais viver assim...
.
Não perfurava mais fontes,
sem limite para seus horizontes,
sem esperança para suas virgens.
Empoeirado, desencantado,
sem sossego em sua alma,
sem lembranças das suas origens...
.
Tolhido do seu poder de cura,
cercado por falsas criaturas,
mal cuidado, sem ideal...
Foi colocado num lugar de destaque,
presenteado como se fosse de araque,
num último dia de carnaval...
.
.

.

4 comentários:

  1. Olá André..
    Que legal estar na pagina Raiz de Cem..
    Me senti honrada pelo espaço que foi me dado com meu poema Unicornio...Muito obrigada .
    Fiquei super feliz...
    uma boa semana a você...
    um sorrisão
    Enise

    ResponderExcluir
  2. Caro André, este é um belo Blog, adicionei o em http://rededoblog.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Ola tude bem?
    Então eu sou o dono do blog Cogumelo Louco
    e vim aki pedir um favor,
    eu mudei o link do meu Dominio e queria pedir pra você mudar o link para
    Titulo: Cogumelo Louco
    link: http://www.cogumelolouco.com

    Abraços

    ResponderExcluir
  4. esse poema e tão lindo,fala de um bichinho tão lindo qui e o unicornio.


    http://www.mundosubliminar.xpg.com.br
    http://www.solendasurbanas.xpg.com.br

    ResponderExcluir