quarta-feira, 7 de novembro de 2007

Agonia


(Landscape with Butterflies Salvador Dali)
.
.
.
AGONIA
(Arlete Castro - 02.02.2007)
.
Voou pela janela a poesia...
e era sem jeito e amarrotada,
falava de amor e meio sem pensar
deixou-se ficar assim enamorada,
rasgada em versos escritos
algures num verão.

Ficou ali caída a poesia
velha empoeirada,
rotulada,...
sem sintonia e sem tom;
feita apenas de lembranças, a coitada
numa métrica que jazia apaixonada
e cujos versos quanto mais se espremia
sangravam flores e amores,
frutos da mais antiga inspiração.

Abandonada, sentiu-se quase sem valor
enquanto o artista no parapeito da janela
via sua arte, seu poema e emoção...
assim julgados e condenados à extinção.

Mas se o papel em cinzas se transforma
e a tinta se desfaz apagando a paixão,
a arte cria vida e ressuscita
voando ao vento, sonhando versos
entre estrelas, amor e rosas...
frutos da eterna inspiração.
.
.
.

5 comentários:

  1. Olá!

    Encontrei o seu blog e achei ele muito interessante... Também tenho um blog ( www.inexistentman.net ) e gostaria de saber se você teria interesse em uma parceria, tipo uma troca de banners ou links.

    Aguardo resposta!

    Abraços,

    Rodrigo.

    ResponderExcluir
  2. Kafka6:49 PM

    Venho parabenizar o conteúdo do seu blog, muito bonito, rico e simples! Também tenho um, porém mas modesto e gostaria de realizar parceria de links ou banners com o seu blog.

    EitaPíula!net - www.eitapiula.net
    Luz Deveras - www.luzdeveras.com

    ResponderExcluir
  3. Mt bom...

    ;)

    adorei o blog...parabéns!

    beijos!

    ResponderExcluir
  4. o amor sempre é uma fonte de inspiração, versos, enfim de tudo e sempre nos leva até lugares inimagináveis

    ResponderExcluir
  5. Parabéns pelo poema e também pela imagem do Dali....
    Ótimo

    ResponderExcluir