sábado, 11 de novembro de 2006

Entre Flores e Pedras




ENTRE FLORES E PEDRAS
(Rita Costa e Sylvia Mariah – 09.09.06)

Hoje acordei feito menina,
querendo brincar em réstias de sol,
colher as flores mais lindas,
provar um doce,
correr livre nas campinas...

(pulei da cama, sem arrumar os lençóis).

O dia me recebeu
como há tempos não fazia,
outra alegria tomou conta de mim
alguma saudade à-toa
– há muito perdida –
instantes que pensei
nem fosse mais lembrar,
vieram de novo me fazer sorrir...

(soltei os cabelos, saí à rua)

Sei que essa energia de agora
vinda do amparo dos sonhos
é a mesma dos tempos de criança,
fruto da espontaneidade total.
Sinto-me capaz de qualquer ousadia...
hoje eu até poderia
correr novamente entre os gerânios

(vai chover! larguei a roupa no varal).

Hoje, não houvesse a pressa,
nenhum semáforo poderia me deter,
fugiria em cada recordação...
– na praça, ainda existe o balanço
onde eu julgava que podia voar
– queria vestir toda essa fantasia
Mas a semana está ainda no inicio.
Ah! E esse tanto de coisas a fazer...

(lá vou eu para outro compromisso)....
.
.
.

2 comentários:

  1. "Alguma saudade à-toa
    - há muito perdida"... interessante.. já participei desse sentimento.. Bonito poema...

    ResponderExcluir
  2. oi nice post e eu também gosto muito deste blog ... pls visite aqui: http://technotexter.co.cc/

    ResponderExcluir